O robô de coleta de lixo foi testado com êxito.
Alunos de três universidades têm colaborado com o grupo Volvo e a empresa de reciclagem resíduos, Renova. O resultado é um robô que automaticamente recolhe e esvazia os contentores. Um drone no teto do caminhão do lixo faz a varredura da área e ajuda o robô para encontrar os contentores.
Através do projeto ROAR, baseado em robô autonomo de coleta, demonstramos como máquinas inteligentes em breve serão capazes de se comunicar uns com os outros para facilitar a vida cotidiana em um grande número de áreas – não apenas para tratamento de resíduos.
O projeto ROAR é uma colaboração entre o grupo Volvo, Chalmers University of Technology, Universidade de Mälardalen, Penn State University, nos Estados Unidos e Renova.

Em termos técnicos, um pré-requisito para o trabalho do robô é que ele já conhece a vizinhança na forma de um mapa da área manobravel e locais prováveis de contentores. Em seguida, o robô usa um número de diferentes sensores para manter-se posicionados dentro deste mapa, permitindo-lhe automaticamente executar suas tarefas.

Os sensores incluem GPS, LiDAR (um sistema semelhante ao radar, mas usando luz infravermelha em vez de ondas de rádio), câmeras e dados IMU, que usa acelerômetros e giroscópio para navegação, bem como odometria onde sensores de movimento medir as mudanças de posição ao longo do tempo.

Os estudantes e pesquisadores das três universidades participantes levaram apenas quatro meses para projetar e construir o protótipo de robô que automaticamente recolhe e esvazia os contentores de lixo. Universidade de Mälardalen foi responsável por projetar o robô em si e Penn State University desenvolveu a interface 3D baseado na web que permite ao motorista para acompanhar a situação e, se necessário, controle do robô.

Na Chalmers University of Technology, três grupos de estudantes que estiveram envolvidos no desenvolvimento de sistemas para detecção de lixeiras, esvaziamento seguro e coordenação global do sistema.
Um grupo trabalhou no sistema drone autónoma para detectar contentores dentro da área e retornar as suas posições, para a posterior retirada pelo robô. Um outro grupo trabalhou com esvaziamento seguro automático do contentor, assim, ligado a carona do caminhão de lixo para um sistema de câmera com um algoritmo de detecção humana para pausar o esvaziamento se alguém viesse a fechar. O terceiro grupo trabalhou com a coordenação geral dos diferentes subsistemas. Em estreita colaboração com os outros grupos de projeto, foram derivados de um modelo para descrever o funcionamento do sistema, bem como a forma de lidar com situações de erro.

“O projeto foi apreciado pelos alunos desde que lhes tenha sido dada a possibilidade de desenvolver seu próprio sistema, enquanto a comunicação e a integração com pessoas com outras formações técnicas trabalhando em outras partes do sistema”, diz Petter Falkman cabeça do programa educacional em automação e Mecatrônica em Chalmers.